COMUNICADO

Oi gente!

É provável que vcs notem que em alguns posts do blog há fotos que não aparecem ou não abrem ampliadas em outra janela. Nós tivemos problemas com a hospedagem dessas imagens, por isso algumas foram perdidas.
Já estamos trabalhando a fim de recuperá-las (temos backup, ainda bem!). O processo levará algum tempo, mas vai dar tudo certo.
Agradecemos pelo apoio recebido até o momento, e contamos com a compreensão de vcs. <3

sábado, 12 de fevereiro de 2011

Testes em animais - “qual sua posição”?

cosmeticos_genericos

Resposta da Mi:

Daí que eu recebi essa pergunta por e-mail, de uma leitora. Eu não sei qual a intenção da pessoa por trás dessa pergunta, mas eu vou dizer a impressão que me dá quando vejo alguém fazer uma pergunta do gênero.

E a impressão que me dá é: armadilha + cobrança + julgamento.

Eu sou uma pessoa comum, que escreve sobre um hobby. Eu não sou uma figura de autoridade pública nem uma representante/modelo de nada para dever satisfações nem precisar explicar ou justificar publicamente qualquer opinião pessoal que eu venha a ter.

“Qual sua posição a respeito de… (insira aqui seu tema polêmico favorito)” nunca é uma mera curiosidade. Na minha experiência, SEMPRE vem acompanhada de julgamento, cobrança, imputação de responsabilidade, etc. Seja “posição a respeito de” testes em animais, aborto, legalização das drogas, o que for.
A pessoa que faz a pergunta está interessada em fazer um julgamento moral, em colocar o entrevistado de um lado ou de outro de uma questão que, pra quem perguntou, tem 2 lados: ou é preto, ou é branco.
E o mundo é feito de muitos tons de cinza.

Outra coisa que me incomoda nesse tipo de pergunta é a repercussão que a resposta costuma causar, se for do desagrado de quem perguntou. Pra vc que responde é apenas uma opinião. Pra quem perguntou, é um tratado assinado em pedra. Essa “mera opinião” vai ser cobrada/lembrada/criticada no futuro, mesmo que vc mude de idéia mais tarde. E, se mudar, esteja preparado para ser chamado de incoerente.

A armadilha, a meu ver, se nota em pequenos detalhes, como:

“Sei que a Renata tem uma gatinha e que a Milena é fã de alguns produtos de empresas que realizam testes, como a Maybelline/L'oréal”  -  (trecho do e-mail)

Perceberam a sutileza? É quase como dizer “a Renata parece ser fã de animais, a Milena gosta de empresas que torturam bichinhos”. Não exatamente a mesma coisa, mas quase. Foi deixado aí um espaço para ser mais tarde defendido como “mal entendido”. rs

Eu também tenho uma cachorrinha, e já tive hamsters, porquinhos da índia, gerbils, coelho. Eu fiz trabalho voluntário por vários anos para um abrigo de animais. Mas peraí… Eu como carne. Eu uso couro. Uau, e agora? Isso faz de mim uma pessoa tolerante ou intolerante com crueldade animal?

Esses pequenos fragmentos que a gente (eu, a Re, vc, qualquer um) deixa passar durante a nossa exposição na internet não dizem NADA a respeito de quem somos ou o que pensamos. Mesmo porque é muito difícil julgar como uma pessoa pensa por informações isoladas e descontextualizadas.

Eu não acho legal macacos traumatizados por laboratórios, nem gosto de saber que ursos são confinados em gaiolas minúsculas para retirada de sua bile. Eu não acho legal matança de baleias e de bebês foca.
E é óbvio que se fosse possível, eu preferia que nenhum animal sofresse nas mãos dos homens por motivos fúteis. Mas o que é um motivo fútil? Onde fica a linha? Comer carne é diferente de comer vitela? Bota de couro é diferente de gorro forrado de pele?
Parabéns para quem consegue ver a questão em preto e branco. Eu não consigo, e acho que os limites estão nos princípios de cada um.

Durante uma vida, é praticamente impossível evitar de usar produtos testados em animais; seja uma pasta de dente, shampoo, um produto de limpeza, uma ração de cachorrro, ou até uma batata Pringles (sim, a Pringles pertence a uma empresa que faz testes em animais). Sem falar em remédios, né? Tanto aqueles que salvam vidas quanto aqueles que simplesmente diminuem o desconforto.
Algumas empresas cruelty-free pertencem a grupos de empresas que testam em animais. Ou seja: o produto em si pode não ser testado em animais, mas quem lucra com ele no final? No fim, o dinheiro muitas vezes vai parar no mesmo lugar.

Há ainda outra questão importante: particamente tudo que é usado hoje em matéria de cosméticos já foi, em algum ponto na história, testado em animais. Se hoje algumas empresas não fazem mais testes, é porque as propriedades desses ingredientes já são conhecidas.
E não podemos esquecer que várias empresas que anunciam que não fazem testes em animais muitas vezes estão se referindo ao produto FINAL, o que não quer necessariamente dizer que elas não comprem matéria prima de outras que testam.

Eu torço mesmo pra que um dia todos os testes – de cosméticos, de remédios, whatever – feitos em animais sejam desnecessários. E seria legal se todos os métodos de abate fossem humanitários.
Mas enquanto isso não ocorre, eu não deixo de comer carne. E também não saio na rua tacando spray de color jet em quem usa casaco de pele.

Então, qual é a minha “posição”? A vontade é de responder “não interessa”, porque isso é PESSOAL. Mas, a despeito de acreditar que eu não devo satisfação quanto a isso, eu vou responder. Resumindo, eu caí voluntariamente na armadilha e estou ciente disso:
Eu NÃO TENHO POSIÇÃO NENHUMA. Não me sinto no direito de julgar quem escolhe produtos com base em testes de animais.

Num mundo cheio de tons de cinza, a minha postura também é meio-tom. O que agride demais os MEUS valores morais, eu rejeito. Mas não sou radical.
Eu acho louvável quem se dedica a consumir apenas produtos seguros para animais. Não estou sendo irônica, acho mesmo. Mas que não me cobrem por não agir da mesma forma. Afinal, eu não cobro ninguém por não pensar igual a mim.

E não esculpam minha “posição” em pedra. Me reservo o direito de mudar de opinião se um dia achar que tenho motivos para tanto.

Em relação à abordagem da leitora que perguntou: posso estar enganada? A pergunta pode ter sido feita de maneira ingênua? Olha, pode até ser. Mas a impressão que deixa não é essa.
Se a intenção não era de julgar, fica a dica pra não abordar esse tipo de tema dessa forma, se a pessoa não se mostrou aberta a isso.

 

Resposta da Re:

Resposta a uma leitora:

"Oi meninas, tudo bem?
Sou leitora/fã do blog há um bom tempo e pelo que consigo lembrar nunca foi falado nada a respeito da posição pessoal de vocês a respeito de testes em animais.
Sei que a Renata tem uma gatinha e que a Milena é fã de alguns produtos de empresas que realizam testes, como a Maybelline/L'oréal, mas gostaria de saber a opinião de vocês a respeito do assunto.
beijos"

Bem, o fato de a gente nunca ter falado sobre nossa posição a respeito disso, bem como nossa opinião sobre pena de morte, aborto, religião, futebol, etc, se explica por um motivo simples: a gente não quis falar. Se um dia der vontade, a gente fala, tá?

Ah, e eu tenho duas gatinhas! Eu tinha oito, mas aí a gente começou a escrever o blog e a receber vários produtos pra testar, então hoje em dia tenho só duas.

Bjs!

74 comentários:

Rose Varela disse... [Responder comentário]

Meninas, não sei se vou conseguir falar direito, mas eu acho que coisas assim não precisam ser tão coerentemente elaboradas ou escritas de uma forma tão incisiva, sinceramente falando. Respondendo a sério à questão ou fazendo um post só pra dizer que ignora, vcs ainda dançam à música dos outros, e não acho que isso está na lista de prioridades de vocês, pelas respostas de vcs em situações anteriores similares. E justamente pq se escreve sobre um hobby as opiniões acabam ficando mais intensas, se existe o discernimento de ver as intenções reais da pergunta, é melhor pro espírito não se deixar arrastar pra baixo com esse tipo de cobrança, como a Mi bem apontou. A não ser que vc tenha acordado de pá virada, então eu sinto pena de quem passou na frente de vcs, hahahaha xD

De qualquer forma, o resumo não-eloquente do meu pensamento é: fico triste quando vcs respondem a uma cobrança desse tipo, pq eu sei pelo que eu conheço do blog que isso é uma coisa que nenhuma de vcs duas gosta de ver e fazer nesse cantinho tão legal que vcs criaram e que possibilitaram amizades/informação/alegrias/risadas a tanta gente. Espero que esse tipo de pergunta não seja dignificada com respostas tão boas nas proximas vezes (embora eu saiba que isso é o mínimo que vcs conseguem fazer visto a capacidade de escrita simplesmente MARA que vcs duas tem. Quero escrever/me expressar que nem vcs quando crescer!).

Espero que não tenha saído esquisito demais...

Carol Pestana disse... [Responder comentário]

RE e MI, achei o texto magnífico...
Eu me pergunto se quem não usa cosmétios testados em animais deixa de usar um remédio para a cura de uma doença pq ele provavelmente foi testado em animais.
Cada um tem o direito de ter a sua opinião mas tem o dever de respeitar a opinião dos outros, seja ela qual for. Não, necessariamente tem que entender mas respeitar sempre...

Lola disse... [Responder comentário]

@Rose Varela

Concordo muito com a Rose Varela. Achei o post bastante incisivo e irônico, mas isso é uma opinião minha. Concordo que cada um tem o direito de pensar e escrever o que quiser, mas não vi nada demais no comentário que vocês citaram no post, sinceramente falando. Achei tudo meio tempestuoso. Fui ovo-lacto-vegetariana por 5 anos e, sinceramente, canso muito dessa postura do vegetariano/vegano de procurar COERÊNCIA em tudo. Tenho animais comprados e adotados, tive de voltar a comer carne por uma anemia séria. Mesmo assim, procuro comprar produtos que não sejam testados animais. Mas enfim, opinião minha.

O problema é aquela pessoa que não come carne/não usa couro/não compra animais e que tem um julgamento de valor superior de si por agir assim. Isso é errado, pô! Não é porque uma pessoa come carne que o meu julgamento de valor e as minhas ações são mais coerentes. Como falei, acho a busca por uma coerência, nesse aspecto, o fim.

Espero não ser condenada por demonstrar minha opinião, que, de certa forma, parece contrária à de vocês - em partes.

Mas enfim, a pessoa que se sentir incomodada com o que vocês pensam tem liberdade o suficiente para retirar o blog do Reader ou para simplesmente deixar de visitar.

Não vai acontecer isso comigo porque gosto dessa forma com a qual vocês colocam as coisas. Acho que nenhuma blogueira tem essa coragem de "botar o pau na mesa" dessa forma. O espaço é de vocês - e eu gosto dele.

Beijo,

Paola

Milena disse... [Responder comentário]

@Rose Varela

Oi Rose

Não saiu esquisito não, e acho que vc captou bem a forma como a gente pensa e como age em relação ao blog.
E eu entendo MESMO o sentimento que um post desse tipo causa. Não é um post leve.

Sendo bem sincera, eu levei em consideração o fato de "dançar à música dos outros". Sim, eu sabia que, ao responder, estava de certa forma dando o braço a torcer. E confesso que passei muito perto de simplesmente respirar fundo, mandar um "foda-se" mental e deixar quieto.

Mas aí eu fiquei imaginando quantas pessoas já não se sentiram acuadas diante de perguntas semelhantes. Quantas não sentiram a obrigação de se explicar, mesmo quando isso não era necessário.
E como qualquer resposta que vc dê numa situação dessas (incluindo aí resposta nenhuma) parece uma justificativa, uma defensiva.

Eu já me senti como essas pessoas, e já me senti acuada e na defensiva também.
Hoje eu tenho maturidade o suficiente pra não me sentir pressionada, mas nem sempre foi assim.

Mesmo não tendo obrigação, acabei decidindo por trazer o tema ao blog, já que podia ser do interesse de outras leitoras.

E também, eu tenho uma postura meio kamikaze. Talvez me trouxesse menos dor de cabeça deixar pra lá, mas é a vida... :)

E fique tranquila, não é intenção da gente manter esse tipo de clima no blog, embora de vez em quando aconteça.

Bjs!

Milena disse... [Responder comentário]

@Carol Pestana

Sabe, eu não vejo problema de uma pessoa que não usa cosméticos testados em animais, usar um medicamento que foi.
A escala de valores entre uma cura e um cosmético é bem diferente, e eu entendo isso.

Eu exemplifiquei os medicamentos ali não como forma de cobrar uma postura radical de quem não usa cosméticos testados em animais, e sim pra mostrar que ainda é muito difícil evitar o sofrimento animal para nosso benifício.
Um dia, quem sabe, a gente chega lá. Será uma conquista legal, se acontecer.

Eu conheço pessoas maravilhosas que preferem não usar produtos testados. Frequento blog de make Cruelty Free.

Meu intento aqui não foi analisar a postura de quem faz uma escolha ou outra, ou de quem nem pensa no assunto.

Foi só pra dizer que eu *realmente* não julgo ninguém pela escolha que faz em relação a isso.

Concordo com vc, nem sempre as pessoas entendem. Mas dá pra respeitar. :)

Bjs

Milena disse... [Responder comentário]

@Lola

Eu costumo ser bastante incisiva mesmo. Não sei se é uma falha, mas estou ciente de que algumas pessoas não gostam desse traço.

Acho que o problema do comentário é que quem pergunta algo assim, normalmente está querendo saber basicamente UMA coisa: se a pessoa concorda com ela ou não.
Não é pra debater o tema, não é para gerar uma discussão respeitosa. É só "quero ver o que ela responde, para ver como a classifico".

E sinceramente: o que de bom pode vir disso? Se a pessoa concordar, o assunto morre. E se não concordar, vem o inevitável julgamento.
E eu acho isso tão despropositado!

Que diferença faz a posição pessoal que alguém assume em relação a isso?
Entendo a relevância de perguntar o posicionamento de empresas, pois isso vai fazer vc decidir onde investir e que causas apoiar. Mas fazer isso com pessoas? Caramba, é julgamento puro!

E eu penso mais como vc do que vc imaginaria... Acho muito difícil ser coerente o tempo todo. Todo mundo tem suas incoerências, e isso não faz de uma pessoa alguém ruim.

Como disse em resposta à Carol, não foi minha intenção cobrar coerência de ninguém com os exemplos citados no post.
Por isso, não acho sua opinião contrária à minha não, na verdade.

Não creio que ninguém vá te condenar por se expressar, vc falou o que pensa de forma clara e sincera. :)

Espero que ninguém se sinta criticado/excluído/incomodado, pois não foi minha intenção.
Mas sei que é impossível agradar a todos e, quanto menos neutro o assunto, pior ainda.

Obrigada por fazer parte do espaço, que é seu também. :)

Bjs

Leandro disse... [Responder comentário]

Entrando de novo na brincadeira da Re e da Mi, entendo o post delas, plenamente.

Quem faz uma pergunta dessas, ainda mais "lembrando" que você tem animais, parece esperar que um dono de animal seja contra testes em animais. E, na minha experiência, costuma dizer isso quando não ouve a resposta que espera.

Essa postura IMPLORA que você demonstre que ninguém consegue viver sem produtos testados em animais, ou sem explorar animais. E, portanto, você ter animais não impede que você use produtos testados em animais.

Um blog não é apenas uma publicação monotemática. Opiniões pessoais também fazem parte de um blog.

Colocando minha própria opinião, "testes em animais" é um termo tão genérico que é impossível ser coerentemente a favor ou contra. Se você Se diz CONTRA, então é contra testes em 50 animais que podem salvar 1000000 de bebezinhos. Se você é A FAVOR, então é a favor da ulceração de córneas de coelhos para teste de tolerância de cosméticos.

Você pode ser coerentemente contra UM teste específico em animais. Isso tem que ser julgado caso a caso. Qual é o teste? Qual é a finalidade? Os benefícios superam os inconvenientes?

E claro, isso nunca será uma unanimidade, nem assim (com exceção dos extremos óbvios); É um julgamento subjetivo que depende da escala de valores de cada um.

Assim sendo, considero que essa pergunta, nessa forma, é uma armadilha que não pode ser respondida satisfatoriamente. Melhor não fazer, se sua intenção não é colocar seu interlocutor numa situação desagradável.

A Milena respondeu detalhadamente. A Renata respondeu de maneira a projetar o sentimento de quem ouve essa pergunta de volta a quem a fez. Acho duas respostas perfeitamente válidas para uma pergunta formulada nos moldes acima...

Paula disse... [Responder comentário]
Este comentário foi removido pelo autor.
Paula disse... [Responder comentário]

Boa resposta, meninas.
É bem complicado levantar questões desse tipo. Claro que não sou a favor dos maus tratos contra os animais, eu mesma tenho 3 gatos em casa, já tive cachorros, passarinho... mas, se não forem feitos testes em animais, vão ser feitos testes em quem? (lembrando que qualquer produto pra ser aprovado deve mostrar resultados)
Qual seria a solução? Testar em humanos de lugares miseráveis do planeta que aceitariam qualquer quantia insignificante da indústria para serem usados de cobaias?

*Re, morri de rir com o final da sua resposta!

Beijos

Fabiola disse... [Responder comentário]

Ri horrores com o comentário final da Renata. xD

E tenho preguiça eterna de gente que a cada mísero post sobre a empresa A ou B em algum blog, já comenta logo dizendo que é contra a empresa/produto tal pq testam em animais. Caralhos, não é essa a pauta do post!

Luciana Junqueira disse... [Responder comentário]

Tem coisas que a gente não levanta mesmo, por ser polêmico demais! Concordo com a posição de vocês!

A minha posição é de INFORMAR os meus leitores apenas, olha só: http://bit.ly/hssUJ6

A decisão final é pessoal mesmo :)

Beijinhos,
Luciana

xDanix disse... [Responder comentário]

Paula, respondendo sua pergunta: os cosméticos não precisam ser testados em "alguém". Há alternativas cruelty-free já utilizadas em laboratório, como cultura de células e tecidos, sem a necessidade de utilizar humanos ou animais.
Tanto que centenas de empresas comercializam produtos sem utilizar testes em seres de qualquer espécie. E empresas grandes: Clinique, MAC, Avon, Bath Body and Works, , L'Occitane, Mary Kay, Lush, Body Shop, Nivea, Boticário... Natura recentemente acabou com os testes também.
Se estas conseguem fazer produtos ótimos sem testar, pq as outras não fazem um esforço pra tentar tbém? Dinheiro não falta nestas empresas...

Para remédios é diferente, pois a legislação brasileira obriga as empresas a testarem em animais (E humanos) os remédios antes de entrarem no mercado. Independente das empresas terem alternativas a estes métodos ou não.

A questão toda é (e aí não estou julgando ninguém, por favor): se a pessoa não é a favor dos testes em animais, começar a privilegiar empresas e marcas que não testam e deixar claro para as que testam a razão da sua escolha as força a buscar alternativas cruelty-free e banir os testes em animais.
Com a Natura foi assim. A empresa percebeu que muita gente se recusava a comprar produtos pq sabia que a empresa testava, e aí eles correram atrás de alternativas.
Se simplesmente falar "sou contra mas continuo comprando", as empresas que testam ficarão eternamente em suas zonas de conforto, pq há clientes suficientes que sustentam a prática.

Dee disse... [Responder comentário]

Isso me faz pensar em todas as questões-armadilhas que nos são feitas na vida. Não há resposta certa. Você vai ser sempre ser julgada pelo que disser.


Eu parei de comer carne por mais ou menos um ano. Por opção. O tanto de piadinha que eu ouvi durante esse tempo... E as perguntas de duplo sentido do tipo, "você usa couro?".
Foi difícil.

Dáfni disse... [Responder comentário]

Meninas,

Achei super útil este post, porque me fez pensar um monte! Principalmente sobre a questão de tentar manter a coerência...

Eu já fiz post no blog sobre esta questão dos testes. Realmente, não gosto de pensar que coelhinhos fiquem com os olhos vermelhos pra que eu use um demaquilante. Mas como vc bem apontou, é difícil que as empresas não usem algum componente que no passado tenha sido testado em animais. Aí eles colocam o selo "cruelty free" porque não testam o produto final, mas na verdade eles têm componentes que já foram testados...

Sem falar na questão dos remédios. Eu tomo remédios que possivelmente tenham sido testados em animais (qual não foi?). Vou parar de tomar, sabendo que minha saúde vai ser prejudicada por causa disso? Acho que tem coisas que não há como a gente manter uma posição tão rígida.

Podendo, eu não compro das empresas que testam. Evito comprar da L'Oreal, mas tenho coisas da Lancôme, por exemplo, que é do mesmo grupo. Da johnson's eu não compro se puder, mas as minhas lentes de contato de grau são da marca. Enfim, eu presto atenção nisso, mas não consigo ser 100%, muito menos 50%.

E não vou parar de comer carne; não acho que isso vai ajudar a pararem de matar bois e frangos. Se eu não gostasse de carne, ok; mas eu gosto, e acredito também que nossa dieta depende de carne. Não gosto de pensar que os animais são abatidos de forma desumana, ou que eles vivam confinados a um espaço ridículo. Mas também não gosto de pensar sobre as mutilações de membros de africanos, dos estupros nas guerras, do tratamento desumano nas fábricas da Nike na Indonésia... Em nenhum caso eu tenho efetivamente feito algo para mudar as situações citadas. Se aparece a oportunidade de fazer algo pra ajudar, faço.

Enfim, gostei muito dos tons de cinza! Me fizeram refletir muito sobre a minha posição sobre isso.

Grandes beijos!

xDanix disse... [Responder comentário]

Sobre a questão dos remédios, a Milena tem toda razão. Há uma enorme diferença entre cosméticos e remédios. Remédios são algo necessário. Cosméticos, por mais que os adoremos, são fúteis. Sim, eles são e sabemos disso. Batom não salva vidas (ok, aguardo comentários engraçadinhos sobre isso...), um remédio sim.

O que acontece quando falamos de remédios é que NINGUÉM na indústria busca alternativas, pela mesma zona de conforto que falei no comentário acima. Cientistas são muito cabeça fechada pra esses assuntos. Tipo: assim que aprendi e é assim que tem que ser. É igual à questão de vivissecção em faculdade de medicina. Tem muito médico que já apoia a ideia de que não é necessária, existem alternativas. Mas enfrentam uma enorme resistência de grupos mais tradicionais, que geralmente mandam nas universidades e no dinheiro. No Canadá por exemplo, as faculdades de medicina baniram as aulas com vivissecção. Não lembro se foi no país inteiro ou em uma província. Mas mostra que existem SIM alternativas de qualidade, o problema é convencer o imenso lobby cabeça dura (e o lobby dos fornecedores de cobaias, claro, que faturam alto com os testes em animais).

Eu evito ao máximo utilizar produtos que foram testados em animais. Digo "evito ao máximo" pq é o que consigo fazer pra ajudar. Não dá pra querer salvar o mundo sozinha, mas dá pra fazer a minha parte. Se eu posso evitar e tenho alternativas pra isso, como no caso dos cosméticos onde temos várias marcas que não testam, eu vou atrás das marcas cruelty-free sim. E nem tô falando de alternativas ruins, que a cliente vai sofrer horrores se mudar. As alternativas são excelentes e variadas.

Eu sou muito amiga da Milena, eu amo ela, eu sou vegetariana e não uso couro, camurça, nem pele. Ela sabe disso assim como sei que ela come carne e usa couro. Cada uma se respeita. Ela indica produtos testados em animais no blog e se eu sei que é de uma marca que testa, eu simplesmente ignoro o post - Mi, não fica triste com isso hein ;) - e vou atrás de um que não seja testado. Eu não fico pregando vegetarianismo pra ela e ela não fica me incentivando a comer carne nem fazendo brincadeiras idiotas do tipo passar um pedaço de bife na minha cara falando "hmm, que delícia" como muita gente faz (se alguém aqui faz isso com um vegetariano, pare agora, sério. Não é legal e não é engraçado, vc só faz papel de babaca).
Eu quando posso falo pra ela de marcas que não testam e que são ótimas, assim ela pode conhecer e gostar tbém. Cada um fazendo um pouco já ajuda muito. Cada um sabendo do que acontece e fazendo o que pode pra evitar o sofrimento desnecessário, tbém.
A única coisa que é chata é ficar inventando desculpas esfarrapadas pra que a própria pessoa não fique de consciência pesada. Ou seja, sabe que é errado, sabe que causa sofrimento, mas pra não ficar pensando no assunto e sentir culpada, inventa uma desculpa qualquer pra acabar com o peso na consciência. Vejo muito isso em pessoas que gostam de comer carne. Aí a pessoa fica na defensiva, falando que carne é essencial, que é a cadeia alimentar e todas as mesmas coisas que ouço há anos e são facilmente rebatidas. Não é mais fácil assumir que "sim, não ligo pra vaca que tá morrendo na fazenda e dane-se?" Ou "sim, não ligo pro coelhinho que tá recebendo quilos de sombra direto no olho até cegar pq eu gosto da sombra da L'Oreal e não quero ter o trabalho de mudar?" É mais bonito e honesto quando a pessoa assume isso e respeito quem o faz. Pode não ser o mais agradável, mas é o único argumento que não pode ser rebatido.
Ficar na defensiva arranjando desculpas é ruim, tanto pros animais, pra discussão toda e pra própria pessoa, que tá mentindo pra si mesma pra ficar mais confortável.

Lucia disse... [Responder comentário]

Ai gente, sendo bem sincera, acompanho o blog há meses e nesse ano de 2011 o que mais tem saído aqui é reclamação :/ Uma pena, pois eu acesso o blog sempre a procura de reviews e coisinhas que animem meu dia! Desanimador... Não era melhor simplesmente responder ao e-mail dela com um simples "Não debato assuntos polêmicos" do que se revoltar tanto? Desculpa meu desabafo...
De uma leitora assídua e que adora esse espaço ;)

Carlinha Salgueiro disse... [Responder comentário]

Só vou ser curta (pretendo não ser grossa): tenho preguiça de quem ataca posições, sejam elaa quaia forem.
Tenho preguiça de quem é radical demais.
Acabo vendo os radicais/extremistas da web como pessoas que tem muito mais vontade de aparecer do que defender uma causa em si.
Beijos!

Lannusa disse... [Responder comentário]

Gente, não achei o email da leitora nada demais. Acho que ela simplesmente quis saber a opinião de vcs, pois é frequentadora do blog e deve respeitar o que vcs falam. Achei que vcs ficaram muito na defensiva, com medo de dizer a opinião sincera e mais direta. A minha é: acho legal quem não testa em animais e se eles tiverem produtos bons, eu compro. Mas não quero abrir mão de produtos que são realmente bons mas que são fabricados por empresas que testam.
Faltou mais jogo de cintura aí! Beijos!

Camila disse... [Responder comentário]

Leio o blog diariamente (não apenas quando tem post novo) e nunca parei pra comentar, mas não pude evitar dessa vez, genial a resposta da Renata, dei muita risada com o final :)

Milena disse... [Responder comentário]

@Luciana Junqueira

Luciana, adorei teu blog. Vou linkar. :)

Bjs!

Milena disse... [Responder comentário]

@Dee


"Isso me faz pensar em todas as questões-armadilhas que nos são feitas na vida. Não há resposta certa. Você vai ser sempre ser julgada pelo que disser."

EXATO.
E será julgada inclusive se não disser nada.

Milena disse... [Responder comentário]

@Dáfni

Pois é... O que eu quis mostrar foi justamente isso, que a realidade das escolhas que fazemos no dia-a-dia é muito mais complicada do que um "sim" ou "não" à pergunta que foi feita.

Bjs!

Leandro disse... [Responder comentário]

Voltando pra ler as respostas, acho bom frisar DE NOVO:

Se a INTENÇÃO foi causar constrangimento, ou não, não importa: uma pergunta formulada dessa maneira não tem resposta correta, e COLOCA o seu interlocutor numa posição desagradável, principalmente quando feita publicamente. A pergunta foi feita da maneira errada, causou mal-estar, e a Milena e a Renata responderam das duas maneiras mais comuns: uma explicando que essa pergunta está mal formulada e tem que ser respondida caso a caso, outra sendo irônica e passando a mensagem de "sua pergunta foi tão mal-formulada que não dá pra responder a sério". Quem não percebe a armadilha contida nessa pergunta, ou GOSTA de polêmica pública, não vê nada demais. Quem percebe, ou não quer responder de maneira simplista a uma pergunta complexa, se incomoda com essa pergunta.

Aliás, essa pergunta é tão capciosa, que mesmo respondendo didaticamente, como a Mi respondeu, você ainda é cobrado pelo time que acha que "a pergunta não tem nada demais", que vem logo dizer como você DEVERIA ter agido, porque a pergunta não tinha nada demais. Se elas não respondessem, provavelmente viria a cobrança de "por que será que você não respondeu a minha pergunta, hein"?

Ou seja, reitero que esse pergunta SEMPRE coloca seu interlocutor numa posição desgradável, não importa se ele responde ou não, nem O QUE ele responde. Pra quem nunca viu essa pergunta desse jeito, fica a dica. Adicionalmente, o mesmo vale pra aborto, crença em Deus, etc. Esperem a pessoa se manifestar espontaneamente, OK? Essas perguntas, só para os MUITO amigos. SE tanto.

Ou, claro, sempre que você quiser colocar alguém em uma posição desconfortável, principalmente publicamente.

De maneira mais genérica: eu sou cientista, da área biológica. E eu posso dizer pra vocês, com segurança, que uma cultura de células não dá tantas informações quanto um modelo vivo. Ou seja, um dia, em algum momento, um desses produtos que "não foram testados em animais" VAI produzir um efeito negativo que não foi observado na cultura de células. Questão de tempo.

Não quero dizer que modelos animais EVITAM isso. Um rato ou um coelho são diferentes de um ser humano. Mas com certeza, são MAIS parecidos com um ser humano que uma placa de células. Os efeitos colaterais causados pelo produto final e não observados na experimentação são MENOS frequentes com testes animais, não ausentes.

Criou-se uma lenda sobre a "má-vontade" dos cientistas, que é tão verdadeira quando a lenda da "preguiça dos índios" ou dos milhões de defeitos que já se colocou nos negros em séculos de racismo. Por favor, pessoal, não confundam uma parte dos cientistas com o todo. É uma posição que não é mais aceita pra nenhum outro assunto no mundo, né?

Eu trabalho numa Universidade que não usa modelos animais nem cadáveres nas suas aulas. E posso dizer que funciona. Acho que é necessário RACIONALIZAR o uso de animais em experimentação, assim como a GRANDE MAIORIA dos cientistas no mundo. E faço parte do Comitê de Ética em Pesquisa da Universidade na qual trabalho, portanto SEI que nós estamos refletindo sobre quais modelos animais são necessários e quais não são.

Mas a questão não é tão simples quanto uma suposta "força de vontade".

Enfim, a Mi e a Re não caíram na armadillha, mas EU caí. Normal, faz parte do meu trabalho! :)

Joo disse... [Responder comentário]

Concordo com a posição (que é não ter posição) e achei muito feliz e bem vinda a ironia. Às vezes eu me canso do blog e de blogar justamente por isso aí, por sempre ter alguém cobrando posição, dizendo que o post poderia estar mais assim ou mais assado, dizendo que falta isso ou aquilo. Tudo tem que estar sempre perfeito, coerentíssimo e robótico. Cansa. Quem quiser experimentar a sensação, ficadica, é só montar um blog...

Milena disse... [Responder comentário]

@xDanix

"Ela indica produtos testados em animais no blog e se eu sei que é de uma marca que testa, eu simplesmente ignoro o post - Mi, não fica triste com isso hein ;) - e vou atrás de um que não seja testado."

Dani, imagina, não fico triste não! Que isso! É sua postura, ué.

Como vc disse, a gente se respeita. E é óbvio que se vc não consome produtos testados, não há interesse em certos posts, e eu entendo.

Assim como quando penso em vc, te dou um presente, etc, SEMPRE procuro por marcas que não testam em animais.
:)

Bjs, legal ver vc debatendo o tema por aqui. :-*

Milena disse... [Responder comentário]

@Lucia

Pois é, nós somos humanas, e às vezes certos assuntos pegam mesmo.

Não dá pra manter sempre um mundo cor-de-rosa no blog, só se a gente fosse máquina. Ou se fosse muuuuito superficial, ou quisesse fazer do blog uma empresa.

Mas o espaço pra gente é mais que falar de batonzinho, é espaço de interação tb, e até de reflexão.

O post não é de "reclamação". É uma reflexão de um assunto importante, sobre o qual as pessoas podem ou não ter opinião formada.

Acho que foi ótimo responder o e-mail da forma que foi respondido, pois veja quantas respostas legais o post gerou até agora.
E todo mundo no maior respeito! É raro ver isso quando o assunto é esse, isso é prova do grupo legal de pessoas que lêem o blog.

Milena disse... [Responder comentário]

@Carlinha Salgueiro

Normalmente isso é coisa de gente mais nova. Conforme a gente vai ficando mais experiente, a gente vê que o radicalismo só funciona na imaginação. Na vida real, é preciso ser tolerante.

Bjs

Geovana disse... [Responder comentário]

Acho que era só nao responder. Quando a gente quer se dar o direito de nao revelar o que pensa, não comenta a pergunta. Vcs entraram na onda da "perguntadora" e foram irônicas do mesmo jeito.
Achei chato ler "Não interessa" de pessoas que admiro, proprietarias de um blog que faz parte do meu Google Reader. Acho que as pessoas que acompanham vcs, acompanham pq admiram vcs e faz parte disso conhecer um pouco do que pensam.

Milena disse... [Responder comentário]

@Lannusa

Sinto muito se vc considerou a minha ponderação sobre o assunto (que é bastante complexo) como medo... Eu quis convidar todo mundo à reflexão, ao invés de jogar a minha resposta curta e grossa num post estéril de 3 linhas.

Quanto à minha opinião SINCERA e DIRETA, ela está no post; em letras maiúsculas, inclusive.

Acho que faltou um pouquinho de jogo de cintura seu, pra entender que uma pergunta dessas jamais é respondida de forma satisfatória.
E que saber a resposta da opinião de uma pessoa não te ajuda em NADA, a não ser julgar aquela pessoa.

Como eu disse, é impossível agradar a todos. :)

Bjs

Leandro disse... [Responder comentário]

Só pra finalizar a minha participação aqui:

Os julgamentos a partir do que foi respondido à pergunta-armadilha já começaram. Eficiente, não?

Não se iludam: se a pergunta não tivesse sido respondida, os posts de "você deveria responder" fariam a mesma coisa.

100% de efetividade. Não importa responder, não responder, o julgamento público é inevitável nesse tipo de pergunta. Armadilha pra quem é inquirido, armadilha pra quem está de espectador. :)

danubia disse... [Responder comentário]

Sou nova neste blog, acho que leio frequentemente ha uns 4 meses, no maximo... Gosto dos posts, quando aparece algum. Mas assim como a Lucia, percebo que este eh um blog onde tem aparecido muitas respostas ironicas, reclamacoes, justificativas do tipo "o espaco eh meu e eu falo o que eu quiser". Como outros, nao achei que a intencao de quem escreveu o email foi de alfinetar, mas a de vcs foi... Assim como naquele episodio onde a menina estava desesperada por uma resposta. Faltou jogo de cintura, assim como uma dose de "politeness". Mas, como vcs mesmas AMAM ressaltar, o espaco eh de voces, e nao pensem que as vezes tb nao tenho vontade de ser venenosa, de falar certas coisas. Apenas falo a quem interessa, e soh a tal pessoa. Por isso, respondam o que quiserem, nao estarei aqui de novo para ler pq cansei. Felizmente existem espacos mais leves na net. Beijo!

Milena disse... [Responder comentário]

@Joo

Pois é, as alegrias de ter um blog. rs

Esse tipo de cobrança gera mesmo isso:

- Se vc responde A, é criticada por não responder B.
- Se responde B, é criticada por não responder A.
- Se responde C, vc está com medo de responder A ou B e optou por uma saída covarde.
- Se não responde, é porque tem vergonha da própria posição.
- Se responde, é criticada por ter respondido, e ouve que era melhor não ter respondido.

Enfim, a pergunta alcançou o seu objetivo, que é nos deixar SEMPRE do lado errado na questão.
Não é maravilhosamente engenhosa? :)

Todo mundo adora julgar os outros... Ainda que seja por vc responder a algo ou não, independente da sua resposta. rs

Milena disse... [Responder comentário]

@Leandro

"Os julgamentos a partir do que foi respondido à pergunta-armadilha já começaram. Eficiente, não?

Não se iludam: se a pergunta não tivesse sido respondida, os posts de "você deveria responder" fariam a mesma coisa."



Exato.

Uma pena, a troca de idéias estava interessante, de alto nível.


É muito desapontador quando, com um assunto desses em pauta, o foco do pessoal fica em "responder ou não".

Mas enfim... Ossos do ofício. :)

Renata disse... [Responder comentário]

Concordo com a Lucia, que ressalta que o blog ultimamente tem apresentado muita reclamação.

Como qualquer pessoa normal, temos fases mais alegres e descontraídas, outras mais ranzinzas e mal-humoradas. Acontece na vida, reflete aqui.

É chato mesmo, concordo, eu mesma tenho pensado bastante nisso, sabe?

Este post veio, infelizmente, depois de uma sequência de posts negativos, mas nesse caso, como o Leandro ressaltou bem, é o tipo de armadilha que se você tenta evitar não respondendo, cai. Então foi...

Mas sua crítica foi válida, obrigada pela sinceridade. Isso pra mim indica que você gosta de fato do blog, e sabe que críticas são, às vezes, coisas boas e necessárias.

(Vou literalmente me esquivar de responder a todos os outros comentários, porque acho que já deu pra notar pela minha resposta que eu não estou com muita vontade de escrever sobre o tema.rs)

beijos a todos

Lu disse... [Responder comentário]

Acredito que a leitora quis sim lançar essa pergunta para que causasse polêmica.
Sou bióloga e em minha profissão, esse tema é bastante recorrente. Por diversas vezes, tive de dissecar animais, da mesma maneira que tive de fazer em aulas de anatomia humana. Mesmo assim, não tenho opinião formada pelo assunto.
Também acredito que para se fazer um questionamento desses, é necessário - no mínimo - muitas informações prós e contras e não somente seguir um MODISMO de "ecologicamente correto", "sustentabilidade", "cruelty free" e afins.

Parabéns às meninas que responderam de maneira coerente à questão da leitora.

Beijos,

Lu

Nana Sayuri disse... [Responder comentário]

olha, nao consegui ler todos os comentários que são inúmeros, nem sei se minha respota é repetitiva, mas EU ADORO ESSE BLOG justamente por isso,
são pessoas normais que o fazem assim tão dinamico e eu adoro.
adorei a renata no finzinho huhuhuh
o jeito da Milena parece muito com o o que eu diria NA CARA de quem me encurralasse assim.
parabéns pelo blog!!!!!
sério mesmo ^^
adoro

Tiemi Tagomori disse... [Responder comentário]

Oi Milena,
Achei o seu post muito oportuno, pois enfrento situações semelhantes no dia a dia da loja.
Adoraria trabalhar somente com produtos cruelty free, mas a nossa realidade ainda é outra...
Mas as coisas vão caminhando naturalmente no sentido de se acabar com os testes em animais. O mercado está pedindo isso. Se a mudança não ocorrer pela consciência, ocorrerá pelo apelo de marketing...


Fiquei impressionada pelo alto nível das respostas dos seus seguidores!
É provavelmente reflexo do trabalho legal de vocês.

Parabéns pelo blog!

Tiemi Tagomori- LOla cosméticos

Everyn Palhares disse... [Responder comentário]

Eitaaaa...Ta parecendo post do finado (RIP)"De Chanel na Laje"( que diga-se de passagem, um dos melhores blogs sobre consumo que surgiu nos ultimos tempos)...

Post muito bem escrito meninas e coerente...Voces sabem mto bem como abordar desde temas triviais como uma resenha de um simples batom ate assuntos polemicos e de grande relevancia como este por exemplo...

Meus parabens pela forma incisiva, coerente e direta que trataram o assunto..Mesmo porque uma resposta cheia de dedos, pisando em ovos certamente nao seria a melhor solucao...

Posso ate estar enganada, mas tbm percebi nas entrelinhas o "julgamento" a que se referem...

Milena disse... [Responder comentário]

@Lu

Meu marido é biólogo, então entendo um pouco do que vc enfrenta na profissão...

Bjs!

Milena disse... [Responder comentário]

@Tiemi Tagomori

Oi Tiemi, tudo bem? Que legal ver vc comentando por aqui! :)

Pois é, eu entendo sua posição, e também acho que aos poucos o mercado vai se adaptando.

Olha, eu fico muito feliz com a participação das meninas que lêem o blog da gente, viu... Muito bacana poder reunir um grupo assim!

Bjs e obrigada!

Milena disse... [Responder comentário]

@Nana Sayuri
@Everyn Palhares

Oi meninas! :)

Só pra não ficar nenhum mal estar: a leitora me escreveu ontem à noite, se desculpando pela maneira com que formulou a pergunta.
Eu senti sinceridade na forma com que ela disse ter se expressado mal, e tb pedi desculpas por qualquer passagem mais agressiva minha.

Então, quanto a isso eu considero a questão resolvida...

Já o assunto dos testes rendeu uma boa discussão e participações interessantes, e portanto continuo aberta a comentários/argumentos.

Bjs!

Paulinha disse... [Responder comentário]

Meninas, vcs são sempre mto legais nas respostas, por isso estão no meu google reader! Heheheh..

Qto ao tema... Concordo em tudo com o que vcs disseram. E, honestamente, acho extremamente ingênuo bradar contra qualquer tipo de experiência em animais.

Quem trabalha com pesquisa científica e ciências biológicas em geral sabe que NENHUM PRODUTO É POSTO À VENDA SEM TESTES. Então, se não vão testar em animais, pode ter certeza que quem está testando é você.

Então, é isso. Enqto não descobrirem como testar com segurança sem usar bichinhos lindos que eu amo, prefiro que não testem na minha mãe, ok? hehehehe...

bjs, meninas!
Vcs são mto legais!

Giovana disse... [Responder comentário]

Acho o blog um dos mais honestos que costumo ler.
Todo mundo tem direito a ter uma opinião (e de dá-la ou não).
Excelente post!

Bjs

Mi disse... [Responder comentário]

Posso ser repetitiva, mas também vou dar a minha opinião: gosto muito de vocês (e por isso leio o blog sempre), mas acho que ambas não estavam em um "bom dia", pois leram/responderam uma pergunta - onde eu pelo menos não vi nada além de curiosidade - de uma leitura com uma acidez e uma ironia que faria com que eu, por exemplo, jamais enviasse uma pergunta para vocês... Não era mais simples responder (ou mesmo não respoder) por e-mail? Ficava até melhor para esclarecer com ela o que a moça queria dizer mesmo...Sei lá, óbvio que eu sei que o blog é de vocês então que vocês escrevem o que acharem melhor, mas imaginando que seja essencial que haja pessoas interessadas em ler o blog (não é?), e que algumas pessoas simplesmente se sentiram/sentem/passaram/passarão a se sentir intimidadas ou desanimadas a interagir/debater/perguntar, e conseqüentemente ler o blog, não é melhor parar e pensar um pouquinho antes de se alterar? Isso não é uma ofensa, é só uma crítica, que eu espero mesmo, seja construtiva!

Loo disse... [Responder comentário]

Leandro, Milena e Renata: sou fã de vocês.

Loo disse... [Responder comentário]

me ensinem como faz @link?

Milena disse... [Responder comentário]

@Mi

Tudo bom?

Eu discordo da sua visão de que a pergunta, da forma que estava formulada, demonstrava apenas curiosidade, ainda que essa tenha sido a intenção.

Como bem disse o Leandro:

"Se a INTENÇÃO foi causar constrangimento, ou não...
uma pergunta formulada dessa maneira não tem resposta correta, e COLOCA o seu interlocutor numa posição desagradável"


Por isso, independente do meu estado de espírito, num dia "bom" ou não, eu teria lido exatamente da mesma maneira.

Claro que o rumo dos posts do blog tem a ver com nossa disposição, vontade, humor, ímpeto, etc.
Então, pode ser que em outro dia eu tivesse ignorado o e-mail. Ou não.

Com a exposição, é comum virem cobranças, exigências, etc. Não teria sido a primeira vez, e com certeza não seria a última.
Tem muita coisa pela qual a gente respira fundo e não se "altera", que não chega pra vcs aqui no blog.
Esse equilíbrio perfeito e permanente é algo muuuuito complicado de obter.


De qualquer forma, achei o episódio produtivo e instrutivo. Se eu tivesse ignorado o comentário, o mal entendido jamais teria sido esclarecido, e o tema - que considero relevante - provavelmente nunca teria sido abordado.
E eu não teria tido a real noção da maturidade das leitoras quando o assunto transcende a make nossa de cada dia.

Então, apesar de ter um lado chato, eu acho que o saldo foi positivo. E sim, fui ácida mesmo, admito.

Não me ofendi com o que vc disse, e sua crítica não passou despercebida e não será ignorada. ;)

Bjs

Lola disse... [Responder comentário]

O espaço de vocês é diferenciado por causa disso: mesmo com a acidez do post, vocês foram extremamente educadas e simpáticas às críticas.

Gurias, meus parabéns pela condução do tema. Após ler alguns comentários, concordei que a pergunta da menina realmente não tinha tom de curiosidade, mas de alfinetada mesmo. E, poxa, se fosse o meu espaço, também me sentiria invadida - e provavelmente teria a mesma reação de vocês.

Continuem assim, vocês fazem parte do meu reader!

Beijos,

Flavia disse... [Responder comentário]

De repente a leitora só queria saber mesmo qual a opinião sobre os testes nos animais, ué. Quando as coisas são escritas, sem entonação, comunicação não-verbal etc fica um caminho aberto pra interpretações.

Tatinha disse... [Responder comentário]

Olá meninas!
Essa é uma questão que realmente tem uma linha bastante tênue, e que sim, podemos cair em armadilhas....
Eu não como carne, na verdade nunca gostei muito, e desde que fui morar sozinha a tendência foi a diminuição, e por diversos motivos parei mesmo, não sinto falta e também não julgo quem coma, é uma questão minha, não gosto, enfim....
Agora, testes em animais, acho complicadíssimo julgar, por um simples motivo, sou uma pessoa muito alérgica, já fui parar no hospital por reação a medicamentos, não sabia da minha sensibilidade. A questão é, se não existissem esses testes, estes deveriam ser feitos em alguma coisa, ou mesmo pessoas, não? Sei que é hipocrisia falar, mas a que ponto a vida de um animal é mais importante que a humana, ou vice versa? Acho que cabe a cada um julgar por seus princípios morais e éticos, mas creio que esses testes, por mais cruéis que sejam do ponto de vista do animal, visam um bem maior, uma segurança para nós .
Abraço a todas!

fabi disse... [Responder comentário]

ai...falem de make, please! esse blog tá mais pra muro das lamentações...tá chato...

Renata disse... [Responder comentário]

@fabi
Você tá atrasada, meu bem! Esse post é de sábado.
abraços.

Milena disse... [Responder comentário]

@fabi

Tá um muro das lamentações mesmo... Vem sempre alguém aqui pra lamentar alguma coisa, dizer que quer de outro jeito. rs

fabi disse... [Responder comentário]

meu bem...eu trabalho, não dá pra ler blog todo dia...

Milena disse... [Responder comentário]

@fabi

Tem post novo de make, vc viu?

Wal disse... [Responder comentário]

Não li os coments pq estao gigantescos, credo.
Só queria dizer q vc expressou exatamente a minha opinião, apesar de eu me recusar a me dar ao trabalho de responder isso p quem quer q seja.
E viva os tons de cinza!

Luciana Junqueira disse... [Responder comentário]

@Milena

Oba, que bom que gostou ;D Linka sim!!! Eeee!!!

Eu também adoro o MAKEUPalooza!!!
Beijinhos,
Luciana

LIZ VIEIRA disse... [Responder comentário]

Na verdade acho que vcs não precisariam gastar o precioso tempo de vcs respondendo uma pergunta tão sem pé nem cabeça! O que ela tem haver com isso? Eu não gosto que maltratem os animais, mais nem por isso sou obcecada pelo assunto. Acho que cada pessoa tem direito de pensar o que quiser, se ela acha isso ou aquilo de qualquer blogueira acho que seria mais simples ela simplesmente parar de ler, e não ficar procurando achar resposta para as convicções dela!

==

Meu blogroll e selecionadíssimo e vcs sempre farão parte dele.

Bjos Liz
www.branquelasardenta.com

Juliana Rodrigues disse... [Responder comentário]

Perfeito!

Renata disse... [Responder comentário]

@LIZ VIEIRA Brigaaaaaaada, Liz! Fofa! :D

Mercedes, D. disse... [Responder comentário]

Milena e Renata,
eu não tinha lido este post e vim aqui nos comentários só para reafirmar exatamente como a LIZ acima:
Vcs MORAM no meu blogroll!

(E agora o Leandro tb! rs)

Beijos!

Srta Caffeine disse... [Responder comentário]

Hum, acho esse assunto interessante e atual. A posição das pessoas em relação à determinada questão de caráter ético passa pela não alienação acerca de fatores determinados socialmente, mas que não obtém de todo, um consenso. A realidade é mutável e toda mudança depende de como nos comportamos e nos posicionamos, ou seja, somos nós que promovemos todas as mudanças no mundo, afinal, o mundo é feito por nós. Se posicionar é estar atento ao nosso tempo, às mudanças que estão sendo propostas pela sociedade. E aqui, nesse caso, essas mudanças estão pautada pelo consumo de determinados produtos que estão ou não condizentes com o que desejamos como cidadãos, com o que acreditamos que podia ser melhor...Se queremos comprar produtos éticos, as empresas vão produzir produtos assim,pois querem nos fornecer satisfação.
Espero ter contribuido com a discussão. Abraços a todas e todos!

Anônimo disse... [Responder comentário]

Eu ri muito com a resposta da Renata! HAHAHHAHAH...Achei criativa e divertida!

Anônimo disse... [Responder comentário]

@An�nimo
Isso é retrato da mulher brasileira, não tá nem aí para certas questões que envolvem o planeta, o futuro...só pensa em colocar algo na cara e ficar com cara de palhaça...divulgando na net e achando-se algo bonita, ou melhor tentando ser algo que está longe de ser..bonita com maquiagem, sim, porque não importa nada a não ser ficar com cara de palhaça e rir de coisas que não pode e nem quer compreender.

Fútil, fútil, futil...
que vergonha dessas mulherzinhas á toa! cuja o cerebro só sabe diferenciar cor de batom, base, e similares.

Dignas de pena.


¨¨

Renata disse... [Responder comentário]

Mas a gente sabe usar crase! E a gente assina o que escreve.

XD

Milena disse... [Responder comentário]

Eu ia até responder, mas pra que, né? Hoje eu tô tão zen... rs.

E Re, a crase nem foi o pior. Eu curti mais o "cuja o cerebro". :D

Anônimo disse... [Responder comentário]

Anônimo, vc disse tudo, Fúteis e q não fazem diferença alguma. O engraçado é q ela enrolou, enrolou e não respondeu nada!! Fugiu bonito da resposta! Depois dessa, sumi desse blog.

Milena disse... [Responder comentário]

Oi anônima, tudo bem?

Na verdade, eu não fugi de resposta nenhuma. Acho que vc não leu direito, ou não entendeu. Eu não TENHO uma resposta, é diferente.
Ninguém é obrigado a ter opinião formada sobre tudo e qualquer coisa que existe no mundo. Exigir isso dos outros é coisa de criança. Quando a gente vai amadurecendo, vê que as coisas são bem mais complexas do que aparentam, e que estamos sempre em reflexão.

Se alguém fugiu de alguma coisa aqui, foi vc e a anônima de cima, né?
Vcs criticam a opinião dos outros, mas não têm coragem na hora de assinar embaixo das próprias, e se escondem atrás da proteção da internet... Assim fica suuuuuuuuuper fácil dar uma resposta, né? Hehehe.
No anonimato, todo mundo é sincero e corajoso. Difícil é fazer isso e mostrar a cara. :P

A minha cara tá aqui pra bater. Eu assino embaixo de tudo que eu escrevo.

No mais, acho justo que vc não frequente um blog de alguém de quem não gosta, ou não admira, ou com quem não concorde. Normal.
Ainda assim, é no mínimo de bom tom assumir suas críticas, se escolher publicá-las. Fica a dica. ;)

*suelen salvador disse... [Responder comentário]

Eu aprendi que depois que vc sabe de uma coisa e comete tal coisa e pecado porque vc sabe o que está fazendo de errado, tudo isso eu levo pra minha vida, e se faço eu peço perdão como os indios antigamente!!!eu acho errado usar os pobres dos animais, mais tudo nesta vida e usado, ate vc!!!!então so peço perdão se pratiquei algum mal!!!

Mari disse... [Responder comentário]

eu acho mto chato pergunta tipo "pegadinha" so pra poder criar uma encrenquinha....MASSSS todos temos uma opiniao e nisso sempre fica implicito um certo julgamento. Eu nao sou radical e nem acho q a minha verdade e mais verdadeira do q a dos outros, mas nessa questao animal eu sou bem taxativa: pele e errado, teste em animal e absurdo, vitela e crueldade e falta de consciencia e couro e carne de boi e um mal toleravel (ainda) e eplico (ou tento) o porq:

eu como carne (infelizmente,AINDA como) e sou TOTALMENTE CONTRA TESTES EM ANIMAIS e CONTRA O USO DE PELE.
Por isso sou hipocrita? NAO, nem um pouco!
Testes com animais sao uma crueldade extremamente desnescessaria, empresa q faz isso esta no minimo 30 anos atrasada! se eu vou comprar um produto eu SEMPRE opto pela marca q nao faz testes!SEMPREEEE! ale q eu ja olho com pessimos olhos quem usa metodos tao ultrapassados pra fazer um produto (alem de cruel)a MAC conseguiu fazer uma das melhores linhas de maquiagem do mundo sem torturar bichinhos, entao nao tem mais oq argumentar q e nescessario e ponto.
Vitela e diferente de bife? na minha opiniao SIM, e diferente.
Vitela e um boizinho bebe,que passa a sua curta vidinha todo confinado, sem poder se mexer pra nao criar musculos e nem tonus.Nao corre, nao pasta, nada...CRUELDADE!
Entao bife de file eu nao ligo? claro q ligo, como porq nao consegui abolir mas morro de do! MASSSS mesmo assim e "menos ruim,menos triste q vitela" e um animal q viveu e foi bem alimentado,correu no pasto,foi tratado com dignidade e respeito e foi abatido de forma humanitaria (sou 200% noiada qnto a isso, prefiro pagar o triplo do q ceder a essas regras basicas e escenciais)entao SIM, eu acho diferente.
Eu uso couro mas ODEIO pele, sou hipocrita? NAO,de jeito nenhum! e isso ate me irrita porq esse bordao e de quem tenta justificar o injustificavel.
Infelizmente o mundo nao esta preparado AINDA pra abolir o uso do couro. Os materias sinteticos substitutos estao caminhando porem ainda estao longe de torna-lo dispensavel, alem disso o couro e subproduto do boi q e usado para alimentacao eisso e mto diferente de uma raposa q e escalpelada viva SOMENTE pra usar a pele.

Mari disse... [Responder comentário]

CONTINUANDO>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>

Ja a pele hoje e 100% futilidade e vaidade.Simbolo de status pra quem nao entende o mercado da moda. (digo isso porq quem usa pele pensa q esta usando moda, mas esta sendo usado pelo mercado da moda! pois existe tipo uma the bears das peles q controla o mercado do horror e qndo cai o valor "patrocina" grandes marcas a voltarem a usar pele pra subir denovo, alem do fato q uma confeccao marca 4X em media uma peca mas nas peles marca ate 15X entao eles adoram q esteja "na moda"! e ai quem esta sendo usado?)
A pele natural e TOTALMENTE, digo totalmente disponsavel e desnescessaria.
Ja temos materias q aquecem mais e com mais beneficios, temos la, temos tecidos tecnologicos, e temos peles sinteticas INCRIVEIS.Ninguem vai escalar o everest com casaco de pele, entao nao precisa de mais provas q e desnescessaria.
Pele hoje e pura vaidade e vaidade cruel pois os animais sao mortos de formas brutais e mtos deles sao animais q pouco diferem do cachorro, do gato ou do furao q temos em casa pra estimacao e q sabemos q sentem, amam, se apagam, nos entendem nos amam,fazem graca...
Sempre tem um tonto e um futil q vai tentar justificar os seus atos menos nobres, ate estuprador e pedofilo tenta! Mas nao e por isso q cola e q essas desculpas esfarrapadas devam ser levadas em consideracao.

PORTANTO ,pra mim

- teste com animal e atrasado, errado,cruel, desnescessario e MONSTRUOSO!

- usar pele e ERRADO, e futil e vaidade cruel,e coisa de cafetao, prostituta de las vegas e perua nova rica sem consciencia!

- vitela e crueldade,e opcao de gente q nao pensa ou nao se informa

- carne de boi e couro sao AINDA um mal q o mundo nao tem como evitar totalmente

ps- comer coelho e coisa de selvagem q devia ir pro inferno!heheh (e nem pensem em justificar o uso de pele de coelho dizendo q comem a carne porq menos de 2% dos coelhinhos abatidos pra pele sao usados pra comer) e quem come devia mtoooooo queimar no inferno!

bom, e "so' isso! heheh
bjs
M

Mari disse... [Responder comentário]

DETALHE

so pra constar quem defende testes em animais alegando q e melhor do q causar alergia e etc em nos esta sendo um pouco irracional ou inocente!
Porq oq tem a ver, qual a relacao de um produto causar ou nao reacao em um animal e NAO CAUSAR EM UM HUMANO?

Por acaso isso garante alguma coisa?

entao aqui vai uma bomba:somos especies diferentes, com caracteristicas e nescessidades diferentes!


e mto egoismo pensar assim! qual a nescessidade e oq garante pra mim ou pra vc q um detergente nao vai ser irritante por ele ter sido jorrado incessantemente nos olhos de um pobre coelho ate cega-lo?

isso me garante alguma coisa? NAO
so me garante q nao quero dar meu $ pra uma empresa desumana q submete um ser mais fraco e indefeso a esse horror.

e se a nossa realidade AINDA nao e poder ter uma enorme gama de produtos cruelty free e porq nos consumidores nao estamos sabendo exigir isso como deveriamos!
o brasileiro e o mercado consumidor mais idiota do mundo! prova disso sao os impostos q pagamos e ninguem faz coisa nenhuma a respeito....entao se nao temos nao e porq somos coitadinhas q somos obrigadas a usar produtos q judiam de animais, e porq somos acomodados e preguicosos e sem nocao de cidadania e de como fazer valer as nossas vontades como consumidoras! pensamos em nos mesmas e nao em um todo e isso, ah meu bem isso cobra um preco!

E quem diz q se nao testar em animais va testar em nos, nossa...sem palavras! devia estar num laboratorio porq pensa menos q uma cobaia!
Sabia q existem testes PAGOS em humanos?
ou vc acha q a eficacia da pilula anticoncepcional q vc usa foi testada em sapos?
existe pele sintetica,laboratorios de testes especiais, medicao de acidez, ph, tolerancia....
e MTA IGNORANCIA querer dizer q testes em animais servem pra o nosso bem! e apenas um habito,uma pratica antiga e pra mudar isso mtas vezes tem gastos e as empresas fogem de gastos!
As pessoas tem q se informar e saber sobre oq estao opinando para nao passar vergonha de falar bobagens dessa! mesmo q a opiniao seja um "eu nao sei" (e/ou vou pesquisar) como foi o caso e mais honesto do q opinar pra falar isso....

sera q quem pensa isso tbem acha q pra testar os procedimentos de emergencia dos avioes eles derrubam uns 3 ou 4 ?

E tao obvio q o resultado de um teste em animal nao tem relacao com o resultado do uso em humano q nao entendo porq tem gente q ainda tenta justificar com isso...

ps- tbem nao tenho crase e nem acento nenhum no meu teclado!hehe

Gabrielle disse... [Responder comentário]

Estou comentando porque fiquei indignada com a resposta da Renata. Sim, pode ser só uma brincadeira. Mas para nós que defendemos os direitos dos animais isso é uma ofensa muito grande. Formadoras de opinião como vocês, não podem decidir responder uma pergunta com um comentário tão baixo nível quanto o seu. A opinião é sua então infelizmente eu preciso respeitá-la, mas que fique a dica, seu comentário é tão descartável quanto àqueles que eu sou obrigada a ouvir de pessoas ignorantes quando me chamam para ir em uma churrascaria!

Milena, compreendi perfeitamente a sua reflexão e concordo absolutamente que o mundo é CHEIO de tons de cinza. É devido a esses tons que a imparcialidade reina. Pessoas preferem viver em cima de muros à ter opinião formada. Sim, ter opinião formada é difícil, uma vez que não se está disposto a fazer um esforço para abandonar hábitos ruins.

Peço desculpas se em algum momento do meu comentário cheguei a ser agressiva, mas se vocês soubessem o que existe por trás de grandes marcas, se vivenciassem a dor que os animais são obrigados a suportar, vocês seriam capazes, se necessário, de abandonar completamente todos os produtos que usam.

Sou vegana, é confesso: não é fácil. A minha força está em saber que salvo, simplesmente por abandonar alguns hábitos e substituí-los por outros. E sempre costumo dizer: "O maior de todos os erros é fazer nada por achar que se faz pouco; faça tudo o que puder!" Sydney Smith.

Já ouviu a frase: Todos querem mudar o mundo, mas ninguém quer mudar? É exatamente isso que gostaria de deixar a vocês: Um kit de pinceis de cerdas naturais que vocês deixam de comprar e substituem pelos sintéticos já é uma mudança e tanto. Mesmo que o outro kit seja de uma empresa que infelizmente testa em animais.

Quando você salva um animal, você não muda o mundo, mas certamente mudará o mundo daquele animal. Esse é o meu lema.

Renata disse... [Responder comentário]

Gabrielle, acho que você não entendeu. O post não é sobre testes em animais, é sobre pessoas que gostam de julgar, e procuram (ou criam) oportunidades pra isso. É disso que a gente não gosta.

Outro ponto é: se ser "formadora de opinião" é usar imperativos, então a gente não é. A gente também não gosta de imperativo.

Related Posts with Thumbnails